PEQUENA ENCICLOPÉDIA DE BERLIM PARA O TURISTA DE LÍNGUA PORTUGUESA
Informações sobre Berlim - Palavras-chave: Hackeschen Höfe, História de Berlim, Homenzinho do semáforo (Ampelmännchen)

H                                 A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M|N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

Hackeschen Höfe : Assim se chama um conjunto de 8 pátios interiores situados na Rosenthaler Straße, no bairro de Mitte. Nos últimos anos, os Hackeschen Höfe e seus arredores se transformaram num local exclusivo de lazer. A construção data de 1906 e compreende um total de 8 pátios distribuídos numa superfície de 10.000 m². O primeiro e mais espetacular, foi traçado por August Endell e lá tem muitos restaurantes, cafés, um cinema e um teatro. Nas ruas ao redor se encontram os outros pátios, cada um com seu próprio estilo, de diferentes tendências, instituições culturais, também cafés e restaurantes. A Oranienburger Straße é ponto-chave para quem busca lazer noturno. Além dos numerosos bares, boites e restaurantes, também se encontram aqui a Nova Sinagoga, o antigo prédio dos Correios e o edifício Tacheles, um antigo e grande armazém de 4 andares, transformado num centro cultural de vanguarda, onde artistas de várias nacionalidades expõem suas obras (hoje fechado).

Hamburger Bahnof (Estação de Hamburgo) : Foi a primeira estação terminal de trens de longa distância de Berlim, concebida em 1846 por Friedrich Neuhaus. Não durou muito, caindo em desuso já em 1885, transformando-se em 1906 no museu de construções e transportes públicos. Desde 1996 abriga uma coleção de arte moderna, com obras de Andy Warhol, Joseph Beuys, Roy Lichtenstein, Gerhard Richter, Anselm Kiefer, entre outros.

Haus de Kulturen der Welt (a casa das culturas do mundo): Antigo edifício da "Kongresshalle" de 1957 e atualmente possui grande fama como importante centro multicultural.

Hinterhöfe (pátios interiores ) : Atrás das belas fachadas de muitos prédios em Berlim, estão os pátios de fundo, que antes não deram entrada nem à áreas verdes nem à luz solar, mas à toneladas de lixo. Em 1880, a vigilância sanitária precisou intervir com o objetivo de definir os metros quadrados de superfície de direito a cada membro da comunidade. Hoje, os pátios albergam lojas, bares, cafés e restaurantes.

História de Berlim:
1. Começo
Berlim é uma metrópole relativamente moderna. O primeiro indício da cidade se encontra em 1237 às margens do rio Spree, mas naquela época, não passava de um minúsculo povoado. A partir de 1244, com a fusão de um povoado vizinho, Cölln, comecou-se então a povoar as encostas do Spree e a se desenvolver, graças aos mercados marítimo, de centeio e de madeira. Em 1411, depois de revoltas e batalhas, chegou a dinastia dos Hohenzollern, que dominou a cidade durante 500 anos.

2. Berlim, capital da Prússia
A cidade conquistou grande importância sob a regência dos reis da Prússia. Quando Frederico III chegou ao trono, em 1688, foi coroado como Frederico I na Prússia em 1701 e ergueu seu reino. Frederico e seus sucessores realizaram importantes mudanças na cidade. Sob sua regência, construiu-se a Academia de Artes e a Academia de Ciências, o Arsenal e as avenidas e praças mais bonitas da cidade (Pariser Platz, Unter den Linden), entretanto, o rei mais aclamado pelos berlinenses foi, sem dúvidas, Frederico II, também chamado de Frederico, o Grande. Essa grande personalidade histórica, peça-chave para o desenvolvimento de Berlim, foi amante da arte e da ciência. Sua grande ambição era transformar a cidade de Berlim num ponto de encontro para a ciência e a arte. Durante essa época, Berlim alcançou 150.000 habitantes.

3. A Idade Moderna
No final do século XVIII, com a ascenção de Frederico Guilherme II ao trono, a era do Absolutismo começou a entrar em crise. Em 1806, durante as guerras napoleônicas, que invadiram toda a Europa, as tropas prussianas foram derrotadas e o exército de Napoleão ocupou Berlim. Em 1809, o rei e sua corte, exilados em Königsberg, regressaram à Berlim. Com o Congresso de Viena, Berlim foi indenizada, pelos danos causados, e viveu uma época de progresso. Nos 50 anos seguintes, a industrialização prosperou. Criou-se a primeira linha ferroviária, entre Berlim e Potsdam, e construiu-se edifícios importantes como a Universidade de Humboldt, o Teatro de Berlim e a Nova Guarda.

4. A Capital do Reino Alemão
Em 18 de janeiro de 1871, o desejo de expansão do chanceler do reino, Otto von Bismarck, deu frutos e Berlim se converteu à capital do recém-fundado Reino da Alemanha. Muitas das indenizações que a França teve de pagar, depois de sua derrota, em 1871, ajudaram rapidamente o país a impulsionar sua industrialização. Em 30 anos, a população de Berlim alcancou 1,9 milhões de habitantes.


5. A República de Weimar (1918 - 1933)
Em 1919, após muitos desacordos entre os partidos políticos dos social-democratas e dos social-comunistas, a Assembléia Nacional elegeu os social-democratas e a República de Weimar foi proclamada. Durante essa época, Berlim sofreu um impressionante aumento demográfico, alcançando cerca de 3,8 milhões de habitantes, provocando uma grande inflação, desemprego e uma precária situação sócio-econômica.


6. O Terceiro Reich (1933-1945)
A Grande Depressão de 1929 e os reflexos que essa crise causou, deixou a República Alemã sob forte pressão, e assim foi-se preparando o terreno para que os partidos políticos extremistas adquirissem importância. No dia 30 de Janeiro de 1933, Adolf Hitler foi nomeado Chanceler do Reino e alguns meses depois milhares de livros e obras literárias foram retirados das bibliotecas e queimados. Os judeus começaram a perceber os efeitos do nacional-socialismo, iniciou-se a perseguição, a marginalizaçã e muitos emigraram. Na noite de 9 de Novembro de 1938, conhecida como ''noite dos cristais quebrados'', centenas de sinagogas, cemitérios e casas judaicas foram saqueadas.

7. A Segunda Guerra Mundial (1939-1945)
A invasão da Polônia, pelas tropas de Hitler, desencadeou a II Guerra Mundial em 1 de Setembro de 1939. Durante os anos da guerra, milhões de judeus foram enviados aos campos de concentração, muitos opositores políticos foram assassinados e viveu-se uma época de grande repressão. Em abril de 1945, os russos invadiram Berlim e no dia 30 do mesmo mês, ocorreu o suicídio de Hitler, no seu bunker. O dia 8 de Maio de 1945 e data oficial da derrota da Alemanha nazista, também chamada de Terceiro Reich.

8. A Cidade dividida (1961- 1989)
Uma vez terminada a Segunda Guerra Mundial, ratificou-se o Tratado de Potsdam no dia 2 de Agosto de 1945, onde se concordou dividir a cidade em 4 setores: o soviético, o americano, o inglês e o francês. Isso tornou Berlim o foco central da Guerra Fria. Muitos habitantes da Berlim Oriental fugiram para a parte ocidental, por causa dos problemas de abastecimento e repressões políticas, até 1961, quando a RDA ordenou a construção do muro, que interrompeu as fugas.

9. A Reunificação Alemã
Após 28 anos em pé, as revoluções políticas em toda a Europa Oriental levaram à queda do muro em 1989 e à abertura das fronteiras entre as duas repúblicas. Em 3 de Outubro de 1990, foi oficialmente aprovado a Reunificação da Alemanha e com isso Berlim voltou a ser sua capital.

Hohler Zahn (o dente cariado) : Os berlinenses apelidaram a cúpula em ruínas da Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche de ''dente cariado'', por ter sido bombardeada em 1943, e é conservada como memorial. Veja também 'Igreja Memorial do Imperador Guilherme.

Holocaust-Mahnmal : Veja 'Monumento Comemorativo às Vítimas do Holocausto'.

Homenzinho do semáforo (Ampelmännchen) : O Homenzinho do semáforo está presente em todas as cidades com a finalidade de melhor organizar o trafégo de pedestres. Mas somente em Berlim há uma espécie de ''culto'' à imagem de sinalização, posto que os guardas de trânsito na Berlim Oriental deviam ser graciosos e ter algo de especial que os diferenciasse dos demais. Junto a isso há algo de curioso, pois alguns fanáticos pelos homenzinhos querem rigidamente que os anõezinhos da Berlim Ocidental sejam substituídos pelos da Berlim Oriental para trazer mais uniformidade à cidade. Um grande êxito, pois se vê que, além de estarem em muitos semáforos da cidade, também estão presentes em lojas especializadas na confecção de camisetas, jaquetas, chaveiros, lâmpadas e infinitos acessórios de merchandising com a estampa do Ampelmännchen.

Hugenotten : O mais popular dos calvinistas. Vieram à cidade na época de Friedrich Wilhelm, quando logo após a Guerra dos 30 anos, o regente buscava urgentemente cidadãos para povoar a cidade. Cerca de 5.000 franceses de origem protestante deixaram seu país e trouxeram seu idioma, novas manufaturas e artes, que influenciaram a cidade de Berlim até os dias de hoje. A princípios do século XVIII, de cada 5 berlinenses 1 era de procedência francesa. A língua francesa atua hoje como língua (secundária) no liceu francês, fundando em 1689 pelos imigrantes e forma 500 cidadãos alemães e franceses. Se deseja saber mais sobre os Hugenotten, visite o Hugenottenmuseum, na Catedral Francesa.

Hugenottenmuseum : Veja 'Museu dos Hugonotes'.

Humboldt-Universität : Veja 'Universidade Humboldt'.

Hungerkralle : Veja 'Hungerharke' (o rasto da fome) : Também chamado de Hungerkralle, as garras da fome, é o monumento comemorativo que se encontra na frente do aeroporto Tempelhof (fechado). O monumento representa os problemas de abastecimento pelos quais atravessou o oeste de Berlim nos tempos do bloqueio de Berlim (1948-1949), "Berliner Blockade", quando os habitantes do oeste tiveram de ser alimentados por parte dos aliados através da ponte aérea, já que todos os acessos à Berlim Ocidental estavam bloqueados. As três garras do monumento simbolizam as três únicas vias aéreas que permitiam o acesso à parte ocidental de Berlim para abastecer a região bloqueada.

Aceitar

Usamos cookies. Este site tem alguns cookies que aprimoram a sua experiência de navegação. Ao utilizar o site você concorda com nossa política de cookies e privacidade